Blog

Back to Blog

PIB da construção civil cresce 1,3% no último trimestre e deixa pior para trás

PIB-da-construção-civil-cresce-1,3%-no-último-trimestre-e-deixa-pior-para-trás

De acordo com o IBGE, o PIB da construção civil cresceu 1,3% no terceiro trimestre deste ano em relação aos três meses anteriores. Na comparação com 2018, o setor acelerou de 2,4% para 4,4%

O setor da construção civil começa a dar sinais claros de recuperação e de que o fundo do poço é coisa do passado. Ao marcar seu segundo trimestre seguido de crescimento, após cinco anos de retrações e quedas, o setor dá sinais de otimismo ao mercado. O crescimento segue concentrado no segmento imobiliário, que tem reagido mais rapidamente à queda de juros.

As informações são dos dados das Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram repercutidas pelo jornal Valor Econômico.

De acordo com o IBGE, o PIB da construção civil cresceu 1,3% no terceiro trimestre deste ano em relação aos três meses anteriores. Além disso, “na comparação com o mesmo período do ano passado, a alta do PIB da construção acelerou de 2,4% para 4,4%”, informa o jornal Valor Econômico.

Quando se olha para a variação do Produto Interno Bruto do setor entre o segundo e o primeiro trimestre, que cresceu 2,4%, percebe-se que houve uma desaceleração. Contudo, o resultado é positivo, pois se mantém a perspectiva de crescimento, em especial para o ano que vem.

Segundo reportagem do jornal Valor Econômico, há dados que mostram crescimento do crédito imobiliário, lançamento e vendas de imóveis, o que mantém a perspectiva positiva no mercado. O crescimento do Produto Interno Bruto da construção civil foi um dos destaques positivos para o crescimento do PIB total, que se expandiu 0,4% no período.

Crescimento de 2% no ano

De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do estado de São Paulo (Sinduscon-SP), o PIB da construção civil fechará 2019 com crescimento de 2%. O levantamento – também assinado pela Fundação Getúlio Vargas – indica que o ciclo de quedas e retrações do setor será interrompido.

O consumo das famílias teve muita importância no crescimento do PIB da construção civil neste ano, de acordo com o Sinduscon-SP. A autoconstrução e reformas responderam por 3% deste crescimento, já os serviços especializados, 2,5%; e a infraestrutura, por 1%. As informações foram divulgadas pelo jornal Valor Econômico.

Há uma retomada do mercado imobiliário em curso, mas ela só passou a ter reflexos mais abrangentes nos últimos meses deste ano. Portanto, o mercado não espera crescimento do segmento de edificações ainda em 2019. Entre outros fatores que ajudam a entender a expansão do mercado imobiliário está a queda da taxa básica de juros. Ela é vista como uma das responsáveis pela movimentação no setor.

O Sinduscon-SP e a FGV projetam que o PIB da construção civil em 2020 seja de 3%, de acordo com o Valor Econômico. “Há expectativa de crescimento de edificações residenciais e de outros segmentos no próximo ano. O desempenho continuará a ser puxado por autoconstrução e reformas. Já obras de infraestrutura devem manter ritmo lento de recuperação.”, informa o jornal.

A percepção de crescimento neste ano e em 2020 são relevantes, mas para ela ser sustentável é preciso que outros segmentos tenham uma reação mais robusta. A opinião é da coordenadora de projetos da FGV, Ana Maria Castelo, ouvida pelo Valor Econômico. “A construção saiu do fundo do poço”, afirmou ao jornal. Entretanto, ela pede cautela. Sem uma reação mais contundente da economia, emprego, renda, e infraestrutura esse movimento pode não ser sustentável, diz.

Expectativa para 2020

Segundo o jornal Valor Econômico, analistas e agentes de mercado trabalham com expectativas de crescimento do Produto Interno Bruto da construção civil de até 3% para 2020. Mesmo para este ano já houve mudança significativa por parte de alguns agentes do mercado. De acordo com o Valor Econômico, a gestora TCP Partners iniciou 2019 com uma previsão de queda de 0,5% no PIB da construção e está fechando o ano com o número revisto para 1,2% de crescimento. A última vez que PIB do setor cresceu foi em 2013, com 4,5%.

Share this post

Back to Blog